Ressonância Magnética – Campo Aberto

A ressonância magnética é um equipamento que facilita a visualização das partes não ósseas ou tecidos moles do corpo humano, como um scanner. Em particular, o cérebro, a medula espinhal e os nervos são vistos muito mais claramente com a ressonância magnética do que com radiografias regulares e tomografias computadorizadas. Além disso, músculos, ligamentos e tendões são vistos muito bem, então exames de ressonância magnética são comumente usados para olhar para os joelhos e ombros após lesões. Um scanner de ressonância magnética não usa raios X ou outra radiação.

A ressonância magnética é uma técnica de imagem segura e confortável usada para diagnosticar inúmeras condições médicas. Não usa raios-X ou radiação tradicional para produzir imagens; em vez disso, reúne um imã poderoso com um avançado sistema de computador, usando ondas de rádio para produzir imagens precisas e detalhadas de órgãos e tecidos moles. O tecido mole é músculo, gordura, vasos sanguíneos e outras partes do corpo que conectam, sustentam e envolvem outras estruturas. Exames de ressonância magnética fornecem imagens muito detalhadas e precisas do que está acontecendo dentro do corpo. 

Um scanner de ressonância magnética consiste em um imã grande e muito forte no qual o paciente se encontra. Uma antena de ondas de rádio é usada para enviar sinais ao corpo e receber sinais de volta. Esses sinais de retorno são convertidos em imagens por um computador conectado ao escâner. Fotos de qualquer órgão ou tecido podem ser obtidas em quase qualquer ângulo específico.

Para as pessoas claustrofóbicas, a ressonância magnética de campo aberto é uma alternativa para conclusão do exame. Caso você tenha dúvidas sobre a claustrofobia,  avise um de nossos colaboradores quando do agendamento. 

Quem se beneficia com exames em uma ressonância magnética de campo aberto? 

Pacientes fóbicos, obesos ou portadores de alguma condição limitante de movimento.